Páginas

Pesquisar este blog

sexta-feira, 30 de agosto de 2013

Coursera estreia cursos traduzidos em português

via Link - Blogs Estadão
Coursera estreia os primeiros cursos traduzidos em português. Legendas de 85 vídeos foram feitas por 110 voluntários.

"SÃO PAULO – Estreiam na segunda-feira, 2, os dois primeiros cursos do Coursera traduzidos para português: Introdução ao Pensamento Matemático, oferecido pela Universidade de Stanford, eFundamentos de Estratégia para Negócios, da Universidade da Virginia. Ambas instituições são dos Estados Unidos. Os cursos, em inglês, tiveram ajuda de sete voluntários, sendo seis tradutores e um revisor."

"De acordo com o site, os voluntários têm diferentes formações (estudantes universitários, advogados, engenheiros e professores) e ajudaram a traduzir e revisar as aulas dos dois cursos.
Os 85 vídeos das duas disciplinas terão legendas em português, facilitando a compreensão para usuários brasileiros. É o primeiro resultado da parceria do Coursera e da Fundação Lemann e esta é a primeira vez que um curso do site é traduzido em português. Ao todo 110 voluntários participam do projeto de iniciativa da Fundação Lemann no Brasil.
Atualmente o Brasil é o terceiro maior país com estudantes no Coursera. De acordo com a Fundação Lemann, o objetivo é chegar a 12 cursos traduzidos em português até o fim do ano."

Leia mais: http://bit.ly/175K3Io

quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Desenvolver um sistema para web utilizando ASP.NET (WebForm)

Divulgando...
"Para quem está estudando linguagens de programação e deseja conhecer ou aprender a desenvolver sistema para web utilizando ASP.NET(WebForm) vai o link de um mini-curso gratuito.
Segue link para quem se interessar:
"
http://alexsandronunes.com.br/2013/02/10/curso-de-asp-net-introducao-parte-1/


Confira os seus navegadores preferidos como se fossem mulheres

Os navegadores de internet são um dos tipos de softwares mais utilizados — afinal de contas, é por meio deles que milhões de pessoas acessam os seus sites preferidos. Por conta disso, os adeptos de um programa deste gênero contam com um perfil e necessidades bastante diferente dos de outros, formando uma espécie de competição entre estes “times”.

Pensando em como cada browser é feito para pessoas diferentes e que utilizam seus computadores de maneiras variadas, a fotógrafa Viktorija Pashuta decidiu fotografar modelos como se elas fossem os navegadores mais usados atualmente. Para isso, elas precisariam encarnar a identidade visual e o modo como cada um dos softwares são vistos.

(Fonte da imagem: Viktorija Pashuta )


Leia mais em: http://www.tecmundo.com.br/navegador/43799-confira-os-seus-navegadores-preferidos-como-se-fossem-mulheres.htm#ixzz2dHhvIecG

sábado, 17 de agosto de 2013

EA anuncia Fifa World, online e grátis, exclusivo para o Brasil e Rússia

via GameFM
A EA anunciou hoje, para alegria dos peladeiros virtuais, o jogo FIFA World, jogo online e gratuito (Free-to-Play) para PCs. O jogo, que vai estar disponível inicialmente apenas para o Brasil e para a Ríssia, deve ser lançado em novembro.
Segundo a empresa, o jogo será “o mais avançado título de futebol gratuito já criado”. A mecânica do novo jogo será a mesma dos outros jogos da franquia.



...
Continue lendo em gamefm.com.br

GameFM


quinta-feira, 15 de agosto de 2013

Estigma

Vida de Suporte
Feliz dia da informática! Ou melhor… meus pêsames :(

Estigma é um post do blog Vida de Suporte.

quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Achar o código HTML do Blogger

Esse pequeno tutorial mostra como acessar o HTML do blog no Blogger.
No menu lateral do Blogger clique em Modelo, fica logo acima de configurações. Na opção 'Agora no blog' embaixo tem os botões personalizar e editar HTML. Clique no botão 'Editar HTML'.



Lá tem todo o HTML da página do seu blog. Aperte Ctrl F no seu teclado para fazer uma busca por uma tag desejada.


Se não quiser mexer com HTML vá na opção Layout do menu lateral que é bem mais fácil e seguro para fazer alterações no seu blog.


terça-feira, 13 de agosto de 2013

O que ainda emperra a ciência no Brasil

via (O Povo Online / Jornal de Hoje)

Investimentos em ciência e tecnologia quadruplicaram em dez anos. Mesmo assim, o Brasil precisa avançar mais para se transformar em um país de ponta



Da roupa que você usa ao smartphone de última geração. Dos carros movidos à gasolina aos veículos de motor elétrico. Da geladeira de menor consumo de energia aos medicamentos de ponta. Quase tudo que utilizamos no dia a dia é fruto de pesquisas científicas realizadas ao longo dos últimos anos. Um processo contínuo, no qual o conhecimento produzido hoje servirá de base para o que vai ser descoberto amanhã. Não há dúvidas de que, para ter competitividade no século XXI, o Brasil terá de investir mais em ciência, tecnologia e inovação. Somente isso terá a capacidade de agregar valor aos nossos produtos e, assim, transformar o Brasil num país de ponta em termos de conhecimento.

Entre pesquisadores e gestores ouvidos, há um consenso: o País conseguiu avançar em relação aos investimentos. Apesar de ainda ser considerado um valor abaixo do necessário, captar recursos para a produção científica tornou-se uma tarefa "mais fácil". Isso está refletido nos números. Em 2001, o Brasil investia R$ 17,2 bilhões em ciência e tecnologia - entre recursos públicos e privados, segundo dados do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI). Em 2011, dados preliminares apontam um investimento de R$ 68,1 bilhões. Ou seja, um número quatro vezes maior.

O grande desafio é manter esse ritmo crescente ao longo dos próximos anos. "Os investimentos em educação e ciência e tecnologia tem que ser uma política de estado e não de governo", afirma a presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Helena Nader. Porém, segundo ela, todos os anos é preciso travar uma batalha para evitar cortes no orçamento da área.

Outro dado interessante é que, se comparado ao Produto Interno Bruto (PIB), o crescimento não é tão intenso quanto o dos valores correntes. Em 2001, o montante investido em Ciência e Tecnologia representava 1,33% da soma das riquezas do País. Em 2011, a taxa subiu para 1,64% do PIB. A Coreia do Sul, por exemplo, investiu 3,74% do PIB no setor em 2010.

"Países da Europa e os Estados Unidos enfrentaram a crise financeira aumentando os investimentos em ciência. Porque eles sabem que a única maneira de reverter a crise é com mais ciência e tecnologia. Ciência não é gasto, é investimento", enfatiza Helena Nader. Por isso, a professora defende que mais recursos sejam investidos nos anos que virão. Nas próximas páginas, vamos discutir outros gargalos que ainda dificultam a realização de pesquisas científicas no Brasil. Também serão apresentados números relativos à ciência e tecnologia que mostram como o Brasil conseguiu avançar na última década. Porém, ainda temos um caminho longo a percorrer.

O POVO solicitou a indicação de uma fonte do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) para debater os avanços e desafios da produção científica no Brasil, mas a entrevista não foi viabilizada até o fechamento deste caderno.

Números

68,1 milhões. Foi o valor investido em pesquisa científica em 2011, de acordo com os dados preliminares do MCTI

1,64% do PIB. É o que representa o volume de investimentos no Produto Interno Bruto do Brasil. Na Coreia do Sul, esse número é3,74%

(O Povo Online / Jornal de Hoje)

segunda-feira, 12 de agosto de 2013

Pirate Bay lança navegador que dribla bloqueios

via Olhar Digital

O Pirate Bay lançou um navegador para burlar mecanismos locais que vetem o acesso ao maior site de compartilhamento de arquivos torrent do mundo.
O PirateBrowser, na verdade, funciona como uma versão adaptada do Tor, navegador pelo qual é possível ir à deep web. Ou seja, no fundo, é o Firefox reconfigurado.
Ao invés de prover acesso à rede oculta, a configuração permite que o internauta confira determinados endereços proibidos - como o próprio Pirate Bay.
Para baixar o PirateBrowser, basta clicar neste link e seguir os passos.

"Pirate Bay lança navegador que dribla bloqueios" é uma matéria do Olhar Digital. Visite o site: http://olhardigital.uol.com.br/noticia/pirate-bay-lanca-navegador-que-dribla-bloqueios/36639

5 pesquisas no Youtube que pregam peças em você

via gps.pezquiza.com

Você já ouviu falar de easter eggs, são pequenas surpresas escondidas principalmente em programas, games e outros relacionados com o mundo digital.
Easter Egg quer dizer ovos de páscoa e a brincadeira nos softwares e outros ganhou este nome pois os nerds adoram ficar procurando estas coisas diferentes nos programas pelo prazer de achar brincadeiras escondidas em seus conteúdos preferidos.
A brincadeira ganhou este nome pois nos Estados Unidos é tradição esconder os ovos de chocolate na páscoa e faz parte da diversão das crianças procurar estes ovos escondidos.
Pois bem, o Youtube escondeu cinco boas brincadeiras para quem está pesquisar por vídeos no site.
...

Continue lendo em: http://gps.pezquiza.com/operadoras-2/youtube/5-pesquisas-no-youtube-que-pregam-pecas-em-voce/#ixzz2blDxCL1O



Este artigo 5 pesquisas no Youtube que pregam peças em você é um conteúdo original do GPS.Pezquiza.com e foi publicado primeiro em GPS.Pezquiza.com. Outros sites que querem usar este conteúdo devem manter este aviso no artigo publicado.

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Abertas as inscrições para o POSCOMP 2013

A Sociedade Brasileira de Computação (SBC) abriu o edital de inscrições para o Exame Nacional Para o Ingresso Na Pós Graduação em Computação (POSCOMP).
O Exame tem como objetivo avaliar os conhecimentos de  candidatos interessados ingressar em Programas de Pós-Graduação na área oferecidos atualmente no Brasil. Além das cidades brasileiras, o Peru e a Colômbia também sediarão o Exame, que será aplicado no dia 29 de setembro de 2013, às 15h (horário de Brasília). As provas terão um total de 70 questões, divididas entre Matemática (20 questões), Fundamentos de Computação (30 questões) e Tecnologias da Computação (20 questões). As inscrições devem ser feitas apenas pela internet, no site: http://www.cops.uel.br/ entre os dias 22 de julho e 20 de agosto de 2013, e custam R$ 60 (para associados da SBC) e R$ 80,00 (não associados).  A data limite para pagamento do boleto bancário é o dia 21/08/2013. Importante que os interessados deverão observar os horários específicos de cada uma das 51 sedes no Brasil e 4 no exterior. 

terça-feira, 6 de agosto de 2013

Inteligência artificial é tema de estudo de Marcelo Finger

Professor da USP discute os avanços da Ciência da Computação no Brasil


Marcelo Finger é professor de Engenharia Eletrônica na Universidade de São Paulo (USP) (Foto: Arquivo Pessoal)Marcelo Finger é professor do departamento de
Ciência da Computação do Instituto de
Matemática e Estatística da USP
(Foto: Arquivo Pessoal)
Você sabe como os tradutores eletrônicos de línguas são desenvolvidos? E os corretores automáticos? Muitas atividades diárias que realizamos por meio do nosso computador ou celular foram resultado de anos de pesquisas no âmbito da Ciência da Computação. A inteligência artificial é um desses campos de estudo e responsável pelo desenvolvimento desses instrumentos que, hoje, nos parecem naturais. Em entrevista ao Globo Universidade, Marcelo Finger, especialista no tema, falou sobre o avanço da Computação no Brasil e contou sobre os seus projetos de pesquisa.
Doutor em Computação pela Imperial College of Science and Technology, mestre pela mesma instituição e graduado em Engenharia Eletrônica pela Universidade de São Paulo, Marcelo Finger é docente nesta universidade, possui pós-doutorado pela Cornell University, além de ser revisor de importantes revistas acadêmicas na área da Ciência da Computação.

 
Globo Universidade: Primeiramente, como professor universitário no Brasil com experiências acadêmicas no exterior, como você avalia o ensino e a pesquisa na área de Computação no Brasil? Quais são os principais desafios?
Marcelo Finger -
 Com relação ao ensino de Ciência da Computação, as universidades de ponta, ou seja, aquelas que fazem pesquisa de qualidade, formam profissionais competentes e capazes de disputar posições no mercado internacional de trabalho na área, mas não formam o número de profissionais demandados pelo mercado. Já as universidades e faculdades que não realizam pesquisa formam profissionais com qualidade variada.  Portanto, quando se fala em ensino de Ciência da Computação existem ao menos dois grandes desafios no ensino. 
Primeiro,  garantir a qualidade do egresso de instituições que não realizam pesquisas de ponta; aqui o problema passa pela formação básica do aluno, que chega com sérias deficiências de Português e Matemática à faculdade.  Segundo, o desafio para todas as instituições de ensino em se adaptar às novas realidades e tecnologias de ensino,  à existência de MOOCs,  aqueles cursos oferecidos pela internet com milhares de alunos, em vez das poucas dezenas que frequentam as salas de aula, e ao fato de que ter o conhecimento mesmo sem comprovação pode vir a ser mais importante para colocação no mercado de trabalho do que ter um diploma.
Com relação à pesquisa, no nível acadêmico e nos segmentos mais teóricos, temos uma crescente produção de qualidade que deverá continuar a crescer. Mas nas áreas mais voltadas à prática e ao mercado de produção de tecnologia, não temos uma pesquisa tão dinâmica.  A interação entre a universidade e a indústria ainda é muito pequena no Brasil, e o número de instituições que são capazes de realizar pesquisa de qualidade também é pequeno.  Além disso, muito pouca pesquisa em Ciência da Computação no Brasil é feita fora da Universidade, mas para um maior desenvolvimento tecnológico e maior competitividade da nossa indústria, seria necessário que a pesquisa fosse também realizada em empresas.
GU - Como revisor de importantes periódicos acadêmicos, quais são os temas mais relevantes discutidos atualmente? Quais são as maiores inovações na área de Tecnologia e Computação?
MF - Um dos temas mais mencionados no momento é o "Big Data", ou seja, como fazer para analisar quantidades enormes de dados, como o que há disponível na internet.  Outro tema frequente é como realizar análises mais profundas e mais precisas dos dados que estão disponíveis; ou seja, como tratar os dados que temos com mais inteligência.
GU - Um dos focos da sua pesquisa é em inteligência artificial. Poderia nos explicar o que é inteligência artificial?
MF -
 A inteligência humana é muito distinta das capacidades dos computadores.  Computadores são bons em realizar tarefas repetitivas muito rapidamente, enquanto o cérebro humano é capaz de realizar previsões, aprender padrões visuais e de linguagem e realizar análises e deduções lógicas.
A inteligência artificial visa buscar maneiras de estreitar esse vão entre a inteligência natural e o caráter repetitivo das máquinas.  Hoje em dia, a inteligência artificial se divide em diversas sub-áreas, como a Dedução Automática, a Linguística Computacional,  a Visão, o Aprendizado de Máquina, dentre várias outras.  E hoje em dia, a inteligência artificial está sendo usada na pesquisa sobre sustentabilidade ambiental.
GU - Qual seria a aplicabilidade dessa pesquisa na prática? Poderia nos dar exemplos de inovações que hoje já foram aplicados em produtos no mercado, mas que nós, leigos, nem nos damos conta?
MF -
 Há diversas aplicações que empregam técnicas de inteligência artificial, e muitas outras virão. Quando instalamos um sistema operacional no computador, ou seja, quando instalamos o Windows ou o Linux ou o MAC-OS X, existe um componente que inspeciona a máquina baseado em inteligência artificial.  Qualquer tradutor de internet entre duas línguas é baseado em inteligência artificial.  As propagandas que aparecem de forma diferente para pessoas diferentes em diversos sites são baseados em inteligência artificial.  Quando buscamos ao telefone serviços em várias operadoras telefônicas, somos atendidos por uma gravação que (às vezes) entende o que falamos, que é baseado em inteligência artificial.  Corretores gramaticais acoplados a editores de texto são baseados em inteligência artificial.  E a lista continuaria por várias páginas.
'A Ciência da Computação segue sendo uma área de atuação com desafios intelectuais e de empreendedorismo para aqueles que quiserem se dedicar a ela' (Foto: (Arquivo Pessoal))'A Ciência da Computação segue sendo uma
área de atuação com desafios intelectuais e de
empreendedorismo para aqueles que quiserem
se dedicar a ela' Foto: (Arquivo Pessoal)
GU - O senhor poderia nos contar sobre o Projeto Temático, financiado pela FAPESP? Em que consiste a pesquisa?
MF -
 O projeto estuda problemas que lidam simultaneamente com deduções automáticas e informações estatísticas, e faz inferência envolvendo estes dois tipos de informação.  Esse tipo de problema aparece em análises mais profundas de conjuntos de dados. 
Recentemente, aplicamos este tipo de técnica em ciências dos materiais, na pesquisa sobre síntese de novos compostos despoluidores (catalisadores).
GU - Qual o perfil dos estudantes envolvidos nesta pesquisa? Há estudantes de graduação participando? Quantas pessoas estão envolvidas?
MF -
 Temos envolvidos alunos tanto de graduação, como de mestrado e doutorado nesta pesquisa. O requisito básico é que devem ser alunos com a mente aberta e a capacidade de aplicar conjuntamente conhecimentos de diversas áreas, como lógica, probabilidade e álgebra linear.
Nos últimos 3 anos, 28 alunos trabalharam neste projeto e participaram da publicação de 100 artigos científicos.
GU - Em que consiste a sua pesquisa de linguística computacional? Em que medida este conceito está relacionado com outras áreas, como linguística e morfologia?
MF -
 Na área de linguística computacional tenho me concentrado em análise sintática automática dos componentes de texto escrito. Este tipo de trabalho já gerou aplicações em reconhecimento dos elementos mencionados em notícias.  Mais recentemente, este tipo de análise tem encontrado aplicações no desenvolvimento de um verificador gramatical do Português Brasileiro, o CoGrOO, já disponível para editores de texto desenvolvidos na filosofia de Software Livre, com o LibreOffice.
GU - E o mercado de trabalho? Em que áreas, especificamente, o senhor acredita que há mais escassez de profissionais qualificados?
MF -
 Não há a menor dúvida de que há escassez de profissionais qualificados em Ciência da Computação.  Eu mesmo recebo continuamente pedidos de indicação de bons profissionais para trabalhar nas mais diversas áreas.  Nem a crise financeira mundial abalou esta busca por profissionais de qualidade. E não há perspectiva desta demanda diminuir.
A Ciência da Computação segue sendo uma área de atuação com desafios intelectuais e de empreendedorismo para aqueles que quiserem se dedicar a ela.

O idioma dos objetos


Fonte: Revista Info Julho de 2004 página 99

Veja também: