Páginas

Pesquisar este blog

sexta-feira, 30 de julho de 2010

Maglev Cobra: o trem brasileiro que flutua sobre os trilhos!

-
-
Fonte: http://www.baixaki.com.br/img/logo.gif
Projeto inovador prevê implantação de trens por levitação magnética com alta capacidade a um custo três vezes menor que os metrôs convencionais.
Por Wikerson Landim em 27/7/2010

Trens flutuantes viajando a cerca de 450 km/h entre o Rio de Janeiro e São Paulo a um custo de implantação equivalente a um terço do investimento em uma linha convencional de metrô. Não, essa não é a sinopse de um novo filme de ficção científica, estamos falando de um projeto brasileiro que pode revolucionar o sistema de transportes no país.

Trata-se do Maglev Cobra, um trem movido à levitação magnética que está em fase inicial de testes na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Além do baixo custo para implantação, sua manutenção pode ser até 50% mais barata e o resultado final é um veículo de transporte não poluente.

O trem brasileiro que flutua

O sistema de levitação magnética não é exatamente uma novidade. Desde a década de 60 em alguns congressos já se discutia a sua utilização prática no sistema de transportes. No entanto, só no final do século passado foi possível colocar em prática os primeiros testes com a tecnologia.

Desde janeiro de 2004, uma linha com trinta quilômetros de extensão localizada na cidade chinesa de Xangai está em operação comercial. O Magelv de Xangai utiliza tecnologia eletromagnética alemã da Transrapid, pois está desenvolvido para atingir 450 km/h. levitando com supercondutores resfriados à temperatura do nitrogênio em estado líquido (-198 ºC) em uma via composta de imãs permanentes.

Nesse ponto o diferencial do projeto brasileiro é significativo. Quem explica é Engenheiro e doutor em Engenharia de Transportes Eduardo Gonçalves David. Ele é um dos inventores e titulares da patente do Maglev Cobra junto ao INPI. “Enquanto o Transrapid consome 1,7 kW/tonelada levitada o Maglev-Cobra não consome energia alguma. Se o criostato (tanque de nitrogênio) fosse um isolante perfeito o Maglev ficaria levitando eternamente”, explica.



Entretanto, como não existe este isolante perfeito, há um consumo de nitrogênio que se evapora. Porém o nitrogênio em estado líquido, um subproduto da produção de oxigênio líquido usado na indústria e em hospitais, é muito barato “Para UFRJ, por exemplo, custa R$ 0,79/litro - menos do que um litro de água mineral”, completa Eduardo.
Segundo ele, a questão chave para decidir quanto à melhor tecnologia depende do tipo de operação que se deseja. “Para alta velocidade a levitação eletromagnética revela-se melhor. Operando a 450 km/h, na eletromagnética o consumo de energia para levitar equivale a 5% do consumo total. Já operando na baixa velocidade o consumo de energia para levitar poderia chegar a 50%, o que se mostra vantajoso para o sistema baseado em supercondutores resfriados à temperatura do nitrogênio em estado líquido”, afirma.
Fonte:
http://www.baixaki.com.br/info/4685-maglev-cobra-o-trem-brasileiro-que-flutua-sobre-os-trilhos-.htm

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Em ritmo de férias

Nesses meados do mês de Julho nenhuma postagem.. e nada com a vida. Paralização total. A lógica deveria ser que quanto menos coisa pra fazer, mais tempo pra escrever no blog. Pois é… não escrevi e nem preparei nada. Pra variar a minha última postagem teve que ser tirada do ar pelo fato de eu não ter colocado a fonte das informações, sendo assim, infração dos direitos autorais.

Aproveitei pra formatar a máquina. Reconfigurar…

import

… e colocar esse post nada com nada só pra não ter nada com nada pro mês de Julho. 10

Até a próxima.

Veja também: